fbpx

Precisão da jurisprudência da Corte IDH sobre imprescritibilidade

Corte IDH, voto do juiz Sergio García Ramírez no Caso Albán Cornejo e outros vs. Equador. Sentença de 22.11.2007. Mérito, reparações e custas, § 27 e seguintes: O Direito Internacional dos direitos humano traz consigo uma releitura de certos direitos, às vezes associados aos grandes dogmas do liberalismo que introduziu preciosas reformas na velha regulação penal, sobretudo a partir do século XVIII. Não direi que a garantia da prescrição (que subtrai o autor de um crime da exigência de responsabilidade penal) seja necessariamente um desses “novos direitos relidos”. A regra da prescrição – na qual está em jogo o dilema entre justiça e segurança – vem de muito tempo atrás. Seja o que for, constituiu e constitui, conforme a regulação penal mais constante, uma defesa do acusado e figura sob esse título no catálogo dos direitos dos quais este pode usar para opor-se à persecução penal do Estado.
A tutela dos direitos humanos frente a violações especialmente graves e insuportáveis, que possam ficar sem a punição – diluindo o dever de justiça penal derivado da obrigação de garantia que incumbe ao Estado -, tem levado a excluir certos fatos do regime ordinário de prescrição, e inclusive de um tratamento prescricional mais rigoroso instalado sobre determinadas condições e prazos mais prolongados, que tendem a manter viva a potestade persecutória do Estado.
Assim, essa imprescritibilidade da pretensão (e, se for o caso, da potestade de execução) não deve estender-se a qualquer hipótese delituosa. A redução ou exclusão de direitos e garantias tem caráter extremo no exame sobre a pertinência de manter certos direitos tradicionais, quando se quer assegurar, por aquele meio rigoroso, a melhor proteção de outros direitos e liberdades. A supressão de direitos deve ser, portanto, excepcional, não regular ou rotineira, e vincular-se precisamente com as mais graves violações aos direitos humanos (tendo em conta a evolução contemporânea da ordem jurídica internacional: Direito internacional dos direitos humanos, Direito internacional humanitário, Direito internacional penal, com amplo desenvolvimento normativo e exame jurisprudencial e doutrinário).
É assim que se considera a entidade ou magnitude dessas muito graves violações para justificar a redução de direitos e garantias ordinariamente aplicáveis, como ocorre no caso da prescrição. Em minha opinião, a Corte Interamericana avança na precisão de sua jurisprudência sobre a matéria. Não modifica seu critério, mas sim o precisa melhor, alentada por uma preocupação que recebe da jurisprudência interna.

PUBLICIDADE
COMPARTILHAR

Encontrou algum erro no conteúdo? Clique aqui para reportar.

Categorias

Assine nossa newsletter

Queremos manter você informado dos principais julgados e notícias da área penal.

    Tudo de Penal