fbpx
Em breve: Tudo de Penal 2.0

Retroatividade da decisão do STF sobre a pena no crime do art. 273 do Código Penal

STF, HC 211.894, Rel. Min. Cármen Lúcia, decisão monocrática de 16.02.2022: No julgamento do Recurso Extraordinário n. 979.962, Relator o Ministro Roberto Barroso (DJe 14.6.2021), submetido ao rito da repercussão geral, o Plenário deste Supremo Tribunal fixou a tese de que “é inconstitucional a aplicação do preceito secundário do art. 273 do Código Penal, com redação dada pela Lei nº 9.677/98 (reclusão, de 10 a 15 anos, e multa), à hipótese prevista no seu § 1º-B, I, que versa sobre a importação de medicamento sem registro no órgão de vigilância sanitária. Para esta situação específica, fica repristinado o preceito secundário do art. 273, na redação originária (reclusão, de 1 a 3 anos, e multa)”.
Embora o caso analisado nesse precedente envolvesse apenas a conduta prevista no inc. I do § 1º-B do art. 273 do Código Penal (importar, vender, expor à venda, ter em depósito para vender ou, de qualquer forma, distribuir ou entregar a consumo produto “sem registro, quando exigível, no órgão de vigilância sanitária competente”), esse entendimento também é aplicado pelos Ministros deste Supremo Tribunal a agentes condenados pela conduta do inc. V dessa norma (importar, vender, expor à venda, ter em depósito para vender ou, de qualquer forma, distribuir ou entregar a consumo produto “de procedência ignorada”).
Na espécie, a paciente foi condenada às penas de cinco anos e dez meses de reclusão, em regime inicial semiaberto, e de cem dias-multa, sendo-lhe aplicado o preceito secundário do caput do art. 33 da Lei n. 11.343/2006. Consta da sentença condenatória que a paciente teria praticado as condutas previstas nos incs. I e V do § 1º-B do art. 273 do Código Penal, anotando o magistrado de primeira instância que, em sua residência, “foram apreendidos diversos medicamentos sem identificação de procedência e sem registro na ANVISA”.
Nesse contexto, a pena da paciente deve ser fixada de acordo com o preceito secundário previsto na norma originária do caput do art. 273 do Código Penal, conforme decidido por este Supremo Tribunal no Recurso Extraordinário n. 979.962.

PUBLICIDADE
COMPARTILHAR

Categorias

Assine nossa newsletter

Queremos manter você informado dos principais julgados e notícias da área penal.

    Tudo de Penal